sábado, 4 de junho de 2011

SOZINHO

Creio que todas as pessoas têm lá suas manias, seu jeito de ser, preferências, modos de agir e pensar, enfim, não seria eu diferente. Pois, uma coisa não me deixa confortável: almoçar sozinho em restaurante. Se em casa já é uma chatice imagine sozinho, em um restaurante! Para mim uma catástrofe. 

Pois hoje almocei sozinho, novamente, em restaurante.

Não é lamento, é divagação, digressão existencial.

Minha profissão, e minhas atividades, muitas vezes me obrigaram a isso. Quando lecionei na Universidade de Caxias do Sul, por exemplo, não tinha saída: eu nunca morei em Caxias do Sul, somente lecionei na UCS, e para isso necessitava dormir em hotel, almoçar, jantar, tomar café, pelos menos três vezes por semana, sozinho. Na atividade política, como Deputado Federal, embora morasse em Brasília, àquela atividade ou me obrigava a almoços chatos com personalidades de um mundo que foi meu de forma paralela, ou me abria portas para, de mansinho, me esgueirar aos restaurantes menos badalado e almoçar, sozinho.

Mas será mesmo que estive sozinho nesses momentos? Não ando crendo mais nisso. Por companhia sempre tive meus pensamentos, meu daimon, ou se quiserem, um anjo da guarda.

Pois hoje, novamente, me senti sem conforto ao almoçar sozinho em um restaurante. Turbilhões de pensamentos que parece se acumulam mais nos existencialistas do que em qualquer outra pessoa saltitavam à minha volta como se quisessem fazer parte daquele ágape. Não sei se o vinho fez com que o sangue acelerasse as ideias e iniciasse um debate com somente um ser em minha plateia: meu daimon; ou se na verdade Sócrates tinha razão: é impossível estar sozinho.

Para completar surge uma visita inesperada naquele restaurante: Paul McCartney, de guitarra em punho recita uma daquelas velhas poesias do tempo dos Beatles e melodiosamente me transfere do tempo presente para o tempo de um dia, para o meu tempo.

Definitivamente nunca estamos sozinhos!

6 comentários:

BIA disse...

Oi Prof. Irapuan!!!

Realmente nossos pensamentos, uma boa música e um bom livro são as melhores companhias!!!
Abraços
Bia

dja disse...

Olá
Boa noite!!

Também acredito nisso, nunca estamos sozinhos e mesmo que não tenham livros, musica, ainda tem os nossos pensamentos.

beijos

dja disse...

Ahhh e obrigado pela visita e comentários adoreiii, volte sempre.

♪ Sil disse...

Ira,

Não sou de me sentir sózinha.
Nunca me senti.
Mas confesso:

Almoçar sózinha ainda é algo que me incomoda rs

Um abração!

Néia Lambert disse...

Obrigada pela visita no ETERNO, bom final de semana.

Priscila Mondschein disse...

Eu costumo utilizar os meus almoços sozinha para pensar, e observar pessoas... na verdade eu até gosto desses momentos! :)
Beijo!