segunda-feira, 19 de setembro de 2011

ONDE ANDARÃO?

(Um tempo de vida vivido na Caserna; entre o 1º/18º RI, QG da 6ª DI, 11ª Cia Com e o 9º RCB; de 1968 a 1973)

Onde andarão...

Cb. Dias; Cb. Rondon; Cb. Carlos; Cb. Adão Renato (Adão Renato Pons do Couto); Cb. Jacobsen; Cb. Maciel (Antonio Carlos Souto Maciel); Cb. Dario; Cb. Gandon; Cb. Carvalho; Sgt. Odracir; Sgt. Lima; Sgt. Flávio; Ten. Adel; Ten. Porciúncula; Ten. Correia Lima; Ten. Messias; Ten. Sparta; Cap. Cordeiro; Cap. Caggiano; Ten. Estrázulas; Ten. Clézio; Major Índio; Cel. Magalhães; Cel. Sharnadoff (Harry Sharnadoff); Ten Cel. Ney (Ney Lauro Nunes de Carvalho); Cel. Jacobina (Alberto Bayard Pereira Jacobina); Cap. Brocardo (Odone Silvio Viero Brocardo); Major Léo; Major Salgado; Cap. Assis; Ten. Carvalho; Ten. Marloi; Ten. Bittencourt; Ten. Amodeo; Ten. Fernando; Ten. Cavalinho; Sgt. Adailton; Sgt. Calvi; Sgt. Odone; Sgt. Valério; Sgt. Salgado; Ten. Marder; Cb. Valmor; Sd. Aquiles (Aquiles Eder); Sd. Gayer (Omar Gayer); Ten. Vicente (João Vicente Vitola); Ten. Guedes; Cap. Del’Olmo (Florisbal Del'Olmo); Ten. Macy; Cb. Cambraia; Cb. Portela; Cb. Tavares; Ten.Cabecita; Cb. Rudenir (Rudenir Meireles Cunha - Rudy Meireles); Ten. Amorim; Ten. Byron (Paulo Byron de Oliveira Soares Filho); Cb. Teixeira; Cb. Bombardeli; Cb. Martins; Cb. Bittencourt; Sd. Osório; Sd. Nélio; Cb. Santa Maria; Sgt. Gandon; Sgt. Cícero; Gen. Borges Fortes (Breno Borges Fortes); Gen. Mourão; Gen. Mena Barreto; Sd. Tolentino; Ten. Cesar; Ten. Sávio; Ten. Élcio e os alunos da 11ª Cia. Com. CFC 1969 Cb. Bonemar, Elso, Silveira; Sds. Leonardo, Tolfo, Siega, Costa, Bittencourt, Prates, Assis e tantos outros que as imagens são presentes, mas os nomes se perderam pelo acúmulo de informações em nossa memória?


Claro que à distância eu soube das promoções; das reformas; de algumas mudanças de carreira, assim como, inevitavelmente, de alguns que já se despediram da vida; mas o trânsito no mundo exige-nos o caminhar constante.

Cada um daqueles que um dia se encontraram tem o seu mundo e o faz a cada instante, pois a existência é feita também da materialidade, com suas competições e a permanente busca por ascensão social; por esta razão meus feitos não ficaram estagnados, mas distanciaram-me de muitos daqueles com quem um dia convivi.

Os nomes fazem parte da lembrança que celebramos durante um instante do tempo existencial e nos apontam o significado de Ser com o Outro. Essa identidade materializa a memória e a faz viva em nova perspectiva revivendo o passado cristalizado no tempo.


Seriam necessárias várias páginas para ser fiel a todos os que participaram e ainda participam da vida de alguém; no meu caso eu deveria acrescentar colegas de profissões, como os professores; colegas de atividades, como os de parlamento; colegas das universidades e faculdades e os amigos; estes poucos, muito poucos. Mas pensei que os meus 18 anos seria um marco referencial e por isso enumerei os companheiros da caserna, de um instante de tempo que somou mais de cinco anos. Propositalmente os nomes não estão em ordem de hierarquia e muito menos divididos por unidade militar, pois todos eles de um tempo e outro, com divisas, sem divisas ou com estrelas gemadas ou não foram seres humanos de um interrégno do meu tempo existencial.

3 comentários:

Priscila Mondschein disse...

Às vezes eu também me pergunto por onde andam algumas pessoas que já passaram pela minha vida, e fico esperando que outras voltem, que nossos caminhos se cruzem novamente. São tantas vidas, tantos caminhos, que não há como planejar, o jeito é esperar... se tiverem que voltar, elas voltam!

Beijo!

JOVV disse...

Caro Prof. não fomos colegas no 18, pois a minha turma é de 71. Daí que conheci muitos dos elencados aqui, mas não todos. Creio que nos conhecemos somente na ULBRA,onde lecionei Direito Notarial para as primeiras turmas, no tempo do Prof. Schoroeder. Acho que o senhor também lecionou lá na época. Voltando ao 18 estive em Sapucaia nas comemorações dos 100 anos do Batalhão Arranca Toco. E, outro dia jantei com o seu comandante atual e com Cel. que comandou o batalhão, estando presentes outros que também passaram por lá. Um grande abraço de infante JOSÈ OSNIR - jovaz@portoweb.com.br ou A VERSÃO DO ESCORPIÃO

Prof. Irapuan Teixeira disse...

Prezado José Osnir, bom tê-lo aqui no Blog. Fico alegre ao saber dos tempos de outrora, nos doces 18 anos de vida; no velho Arranca Toco. Assim como, também, guardo lembranças da ULBRA, menos doces, pois os tempos mudam. Lembro do Prof. Schoroeder e de muitos outros colegas daquela universidade. Espero um dia conversarmos pessoalmente para revivermos tempos de outrora. Abraços.