sábado, 1 de dezembro de 2012

MULHERES: DEUSAS E SATÃS

Eu sou um feminista! Defendo as mulheres e adoro o sexo feminino. Desde adolescente que me vi apaixonado pelas mulheres, começando pela minha professora. Meu pai disse-me, certa vez, que ainda criança eu ja anunciava os "namoricos". Mas, nem por isso, na fase adulta fui, assim, um "mulherengo", embora a dona de meu passe tenha reclamado algumas vezes. Também, conforme uma teoria espírita, por conta de que os filhos escolhem os pais, eu os tive com mais de uma mãe. Eu às reverencio e às admiro por terem me possibilitado ser o pai de seres humanos tão especiais na minha vida e para o mundo, missão que eles terão que cumprir pela escolha que fizerem. Ao mesmo tempo que peço, àquela que me acompanha na alegria e na tristeza, que me perdõe o comportamento não tão adeqüado à nossa cultura e à nossa sociedade contemporânea.

Entretanto, o assunto deste post é outro, embora diretamente relacionado às mulheres. 

Mais uma vez sou obrigado a puxar as orelhas da razão esperando que as pessoas comecem a se dar conta do quanto estão sendo imbecis, toscas, aproveitadoras, lascívas, nojentas, e uma série de adjetivos canalhas que não consigo encontrar na memória mas que os dicionários guardam para quem quiser lê-los.

Estou falando dos promotores dos eventos ligados à mulher e às suas participantes. Mais especificamente daqueles eventos que usam o corpo como mercadoria, alugando-os ou expondo-os em busca de "fama", dinheiro, lascívia e prazer carnal.

Pois, um outro evento "miss bumbum" foi festivamente anunciado e efetivado no "brasil" da fome e da miséria; miséria social e miséria intelectual. Desta vez com adendos dos mais imundos e imbecís que ja se viu, pois contemplou a miserabilidade lascíva com beijos na boca entre as mulheres e as línguas grudando-se na transferência das salívas não tão limpas, como se isso fosse demonstração de liberdade e modernidade. 

Pobre mulheres e pobres platéias, que perdem com isso a grandeza maior do ser humano, que teve como dádiva a existência e não sabe vivê-la.

Falar sem "legendar" a fala, aqui escrita, não cria uma imagem daquilo que  se quer mostrar, por isso as fotos que apresento servirão para o juízo de cada um. O meu está aqui postado! Faça o seu no espaço de comentários; ou fique calado, se isso lhe aprouver. De minha parte estou indignado com o uso do corpo, seja da mulher ou do homem; mas que, pelo que vejo, o da mulher tem sido mais ludibriado, usado, enxovalhado, mercantilizado. Claro, com a devida permissão.  

"A barbaridade é tanta que não cabe rosto bonito nas fotos" (Comentário da minha filha, Mariana, de 9 anos, que não me deixa escrever sem que complemente).
  
Eis a "festa":

As "candidatas". Eram tantas que a foto não coube neste espaço. Observem os lindos sorrisos de satisfação!
O "desfile"!

Não desfilam, ridicularizam-se numa passarela.





"Vitória" (?) comemorada às avessas
 
O podium 

Modernidade ou imbecilidade?
Lascívia: resultado de uma sociedade abjeta

2 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Boa tarde Ira!
O meu primeiro impulso foi de não comentar. Voltei atrás.
Compreendo muito a sua indignação...
Por conta de coisas assim eu mudei de planeta!!!
O que significa que nem tenho mais acesso a esse tipo de notícia via mídia.
Garanto que fiquei mais feliz...

Me lembro que a vida humana assim esteve no final do Império Romano.

Beijos
Astrid Annabelle

ZilMar disse...

oi Ira,

eu me abstenho de comentar pq nem vejo esse tipo de coisa...sei que acontece...mas...cada cabeça uma sentença.

passando pra lhe avisar que tem um mimo pra vc no meu blog,está na lateral direita do blog.

um abraço!

Zil