domingo, 16 de outubro de 2011

MISS BUM BUM

O nível dos meus leitores não exigiria este meu comentário, mas vou fazê-lo, afinal esse negócio de usarem o ser-humano de uma forma tão animalesca me irrita e este blog serve também para momentos de catarse.

Estou falando em "ser-humano" para colocar os homens também no rol daqueles que são usados como mercadoria, como objeto de uso; descartável após o desejo estar satisfeito. Mas, é a mulher a mais usada, prejudicada, escrachada, aviltada, desmoralizada e tantos adjetivos mais que nem me proponho a escreve-los pois são todos direcionados à sarjeta.

Não é um ímpeto religioso que me move à esta crítica e sim o nojo, o asco que sinto ao ver seres humanos sendo tratados, e se deixarem tratar, como animais. Desfiles de cachorrinhas para o deleite de cachorros. Uma recaida ao caos, já experenciado em tempos idos.

Pior do que os desfiles de bundas é a salivação de porcos imundos amontoando-se em meio ao suor e a secreção incontida de seus órgãos reprimidos e que nem mesmo Freud ou Reich aceitariam dar o diagnóstico; e as "misses", desfilam para a plateia lasciva, com olhos ebugalhados, gritarem palavrões como se fosse ovação.

Hoje em dia chamar uma garota de cachorra é elogio; cadela da mais tesão e se o indivíduo titubear ela mesma o incita à provocação.

Não estou falando dos bailes funks das periferias e das favelas, isso é um assunto muito mais lamacento; falo sim da sociedade brasileira que outrora tinha o refinamento precedido pela educação e a cultura, coisas que estão em desuso e esquecidas nos livros mofados que se escondem em velhas bibliotecas.

A cultura do Brasil atual, quiçá do mundo, é a das bundas!

C'est la vie!

4 comentários:

Astrid Annabelle disse...

Aqui só resta pedir que Deus os perdoem, pois sequer sabem o que fazem e a nós igualmente, por prestar atenção e julgar.
Eu concordo integralmente com o que escreveu Irapuan e lamento...
Beijos
Astrid Annabelle

ღ Sensitivity ღ disse...

A mulher pode ter conseguido muitos direitos. Pode viver em outro patamar do que era antes. Mas algumas coisas não mudaram, infelizmente. A sua desvalorização ainda é gritante. Beijinhos e uma ótima semana.

blog da Paraguassu disse...

Olá Professor,
Concordo em gênero, número e grau. É humilhante até, o que vemos em todo o segmento da mídia. Onde ficam aqueles velhos costumes, em que as mulheres tinham pudor e recato? Hoje, o que se vê são crianças (meninas e meninos)falando abertamente sobre sexo, sem nem mesmo saberem o significado de uma união respaldada pelo amor e pelo respeito. Endosso, também, os dois comentários anteriores ao meu, concordando plenamente com os mesmos.
Quero agradecer sua presença em meu blog, comentando minha postagem. Obrigada, mesmo.
Um grande abraço,
Maria Paraguassu.

Priscila Mondschein disse...

Pois é,Ira, essa é a cultura que à qual nossas meninas de 10 anos (ou menos) estão expostas. É a infância que elas têm, e esse também é o apoio que elas têm das próprias famílias, que mais vale uma bunda bonita que ir para a escola, por exemplo! Como você disse: c'est la vie!
Bjo!!!